. : Notícias
busca por notícias/mensagens
 
 
 
 

Um médium e seus carismas


Homenagem a Divaldo Franco no seu natalício de 90 anos

Divaldo Franco é uma vida vitoriosa no exercício da mediunidade com Jesus. Ao elevar a mediunidade e a condição de se ser médium à categoria de Missão, dignifica o exercício do mediumato, que é a missão providencial dos médiuns, segundo o Espírito Joana d´Arc, em O livro dos médiuns.

Como médium e pessoa é uma personalidade notável, estimuladora para todos aqueles que vacilamos na prática mediúnica.

Em Divaldo, como exemplo marcante, se notabilizam: a disciplina férrea e inquebrantável; a fidelidade profunda a Jesus e a Allan Kardec; o seu intenso amor pela Humanidade, sobretudo pelos carentes, pelos que anseiam pela paz, pelos filhos do calvário redentor; a segura convicção de estar permanentemente sob a proteção de Deus, de Jesus e dos benfeitores espirituais; a capacidade de conviver com os mais diversificados caracteres, promovendo o exercício da tolerância e da compreensão; a humildade, os gestos afetuosos, a alegria e a jovialidade constantes.

É um pálido perfil de quem abraçou a Causa do Cristo e tem exercido a mediunidade santamente, religiosamente,

Os primeiros sinais de mediunidade ocorreram aos 4 anos. Os olhos infantis devassavam o Mundo Invisível dos Espíritos, provocando-lhe comportamento diferente do das outras crianças.

No fantástico elenco de mais de duas centenas de missivistas e autores espirituais que já se comunicaram por seu intermédio, sobretudo por meio da psicografia, que é a pièce de résistance de seu trabalho mediúnico redentor, quem lhe apareceu na alvorada de sua infância foi a sua avó desencarnada, sensibilizando-lhe a vidência excepcional, agitando as emoções de D. Ana Franco, sua genitora, e dos familiares que o cercavam, perplexos ante os inusitados fenômenos.

O imenso labor de servir de instrumento à continuidade da Codificação Espírita, que o esperava, não lhe permitiria uma vida simples, igual à de muitas outras vidas. A partir dos primeiros contatos espirituais, eclode-lhe a força mediúnica, irresistível e impactante. Dilatar-se-á, também, a voz de orador espírita, a partir da alvorada de 27 de março de 1947, quando proferiu a sua primeira palestra na cidade de Aracaju (SE), e hoje, setenta anos depois, apresentando um elenco de mais de 20 mil atividades envolvendo conferências e seminários em mais de setenta países dos cinco continentes.

Por recomendação de um Espírito amigo, que já o orientava nas tarefas ainda incipientes, promove a leitura e o estudo das obras básicas da Doutrina Espírita, iniciando por O livro dos espíritos, O livro dos médiuns e O evangelho segundo o espiritismo, que foram o ponto de partida do seu adestramento e aprofundamento dos princípios básicos filosóficos, científicos e éticos da Doutrina Espírita, possibilitando-lhe lúcida compreensão de suas faculdades extraordinárias.

Destaca-se, ainda, nesse currículo de realizações enobrecedoras e exitosas, a fundação do Centro Espírita Caminho da Redenção, há setenta anos, em 7 de setembro de 1947 e a criação da Mansão do Caminho, o seu departamento de ação social, educacional, cultural e de saúde, há sessenta e cinco anos, em 15 de agosto de 1952, com milhares de crianças, jovens e adultos assistidos.

Chegando ao ápice de nove décadas desde as primeiras aparições dos Espíritos, pode considerar-se vitorioso, em face das inúmeras dificuldades e peripécias que vivenciou e tem experimentado, testando-lhe a fibra, a robustez espiritual e a fidelidade a Jesus e a Allan Kardec.

Parabéns, Divaldo! Que você continue a semear estrelas pelos caminhos percorridos e em nossos corações.

Adilton Pugliese
Reformador, ed. FEB, maio 2017.
Em 19.1.2018.

 
     
 
 
 
. Últimas Notícias

 
 
 
Documento sem título